sábado, 27 de junho de 2020

Dia triste ou dia feliz?



Outro dia, meu filho começou a reclamar que estava tendo um dia triste (não foi bem essa palavra que ele usou, mas prefiro simbolizar assim aqui). E lá começamos de novo uma longa conversa... 
O que é um dia triste ou feliz? Provavelmente se eu ligasse para a minha mãe naquela hora, que tem muitas limitações físicas/motoras, que depende de alguém para atividades básicas, e perguntasse à ela se teve um dia triste ou feliz, provavelmente a resposta dela seria de um dia feliz. Enquanto meu filho, por pouca coisa, como descontentamento com algum jogo ou algo que não deu certo, sentia-se num dia triste. A questão de se sentir triste ou feliz, não são os fatos em si, mas sim a nossa percepção em relação à eles, o significado que nós damos. Podemos fazer uma formiguinha virar um monstro, se alimentarmos esse sentimento. O que muitas vezes fazemos! 
O que tento fazer com meu filho é mostrar a forma como ele está enxergando a situação, e como poderia ver diferente. E a outra coisa é não deixar crescer o sentimento ruim. Quando não está conseguindo fazer alguma coisa, está dando errado, ficando irritado... mudar o foco! Parar um pouco o que está fazendo para quebrar aquele sentimento, depois retoma! Um dia fizemos uma listinha de coisas que poderia fazer quando estivesse assim. Coisas tipo respiração profunda, tomar água, dar um abraço, tomar banho, ouvir uma música... Outra coisa boa para fazer é parar e praticar a gratidão! Tem muita coisa ruim, dando errado? É hora de parar e agradecer pelo que está bom, pelo que está dando certo! E vamos em frente, por mais dias felizes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário